Now Reading
COMO COMEÇARAM 5 GRANDES EMPRESAS

COMO COMEÇARAM 5 GRANDES EMPRESAS

Conheça a história de 5 empresas famosas que nasceram como startups e se tornaram gigantes.

 

O MVP – Minimum Viable Product (em português, Produto Mínimo Viável) – é uma forma de prototipar ideias que serviu como pilar inicial de muitas startups que hoje são gigantes da tecnologia.

Conceito introduzido pelo americano Eric Ries, em seu famoso livro que descreve processos eficientes para criar empresas, Lean Startup, o MVP previne investimentos altos (e precipitados) porque testa, com as funcionalidades mínimas, a aceitação dos usuários sobre o serviço ou produto.

Conheça a história de 5 empresas famosas que apostaram no Minimum Viable Product.

 

FACEBOOK

O Facebook começou com base em um site chamado Facemash. Criado por Mark Zuckerberg e três colegas seus de Harvard, onde estudava, tinha o conceito básico de classificar a aparência de outros alunos. Por utilizar fotos tiradas ilegalmente do sistema da universidade, o Facemash foi encerrado dias após seu lançamento.

Inspirado pela ideia inicial do Facemash, o Facebook foi criado em 2004. Na época, se chamava Thefacebook e não tinha tantos recursos como atualmente – servia apenas como um anuário direcionado aos alunos de Harvard. Seu MVP combinava a utilização de um modelo básico do produto, com as mínimas funcionalidades, e os testes com um pequeno grupo de usuários iniciais para obter feedbacks.

Logo no início, o sucesso foi tanto que a plataforma se expandiu para outras três universidades americanas: Stanford, Columbia e Yale. Dois anos depois, em 2006, o Facebook oficialmente abriu (para todos que fossem maiores de 13 anos e tivessem um e-mail válido).

 

AIRBNB

O MVP do Airbnb foi feito pelo modo chamado “Concierge” – basicamente, quando a solução ao problema do usuário é entregue manualmente.

Os fundadores do Airbnb, Brian Chesky e Joe Gebbia sabiam que queriam começar um novo negócio, mas estavam sem dinheiro – inclusive para o aluguel do apartamento que dividiam – e sem ideias.

Quando uma conferência sobre design veio à São Francisco, onde moravam, viram uma oportunidade: abriram seu apartamento para os participantes do evento que não conseguissem reservar hotel. O anúncio foi feito em um site simples, mas eles logo conseguiram três hóspedes.

Com a validação de que as pessoas pagariam por este tipo de experiência – de ficar na casa de outros, em vez de hotéis – a dupla lançou o Airbnb (antes chamado de AirbedAndBreakfast).

 

UBER

A companhia global de transporte Uber começou como UberCab, em 2009. Inicialmente, o serviço do aplicativo era destinado a um viajante específico de cada vez e funcionava apenas em IOS (sistema operacional da Apple). Além disso, só era disponibilizado para um grupo pequeno em São Francisco.

O UberCab simplesmente conectava o passageiro a um taxista de carros de luxo. A novidade que trazia é que proporcionava a possibilidade de pagamento em cartão de crédito.

Quando perceberam o potencial do aplicativo, lançaram em outras megacidades, como Nova York, Seattle, Boston e Chicago. Em julho de 2012, a empresa introduziu o uberX, que permite a qualquer um dirigir pela Uber usando seu próprio carro – contanto que passe pela verificação de antecedentes e requisitos do veículo. Esta adição ao sistema revolucionou o mercado de transportes nas grandes cidades.

Atualmente, o Uber funciona com a mesma premissa do seu MVP, mas de forma mais sofisticada e com adição de outros serviços, que aumentam a possibilidade de uso do aplicativo.

 

See Also

SPOTIFY

A plataforma foi lançada em 2009 com uma única landing page focada apenas no streaming de música, sua função principal. Com os aplicativos beta de desktop, os criadores puderam testar o mercado, antes de lidar com preocupações maiores, como o licenciamento de músicas, que certamente custaria bastante tempo e dinheiro.

Segundo Henrik Kniberg, que é consultor do método Agile & Lean – que determina técnicas de criação e desenvolvimento de empresas – o Spotify utilizou um ciclo de produção de quatro passos: Think It, Build It, Ship It, Tweak It (de maneira aproximada, Pensar, Construir, Mandar e Transformar, em português).

Deu tão certo, que o processo de quatro etapas é utilizado até hoje para qualquer nova funcionalidade do Spotify. Basicamente, a fase Think It testa a eficiência de MVPs conceituais e a Build It cria MVPs físicos. Ship It e Tweak It lançam, gradualmente, o MVP, ajustando de acordo com o feedback dos usuários.

 

TWITTER

O Twitter foi criado por uma equipe que trabalhava na plataforma de podcasts Odeo. Quando a Apple virou uma concorrente por lançar podcasts no ITunes, a companhia decidiu tentar outro modelo de plataforma.

No início, o chamado Twttr era um sistema em que o usuário mandava uma mensagem para um número de celular e ela era transmitida para todos os amigos.Utilizado como um serviço interno da equipe, o MVP do Twttr era um sistema simples que baseava o login no número do celular que seria utilizado para digitar as mensagens (SMS) a serem disparadas.

A equipe se tornou tão obcecada com o Twttr, que começou a gastar centenas de dólares em SMS. Foi aí que perceberam seu potencial como uma ferramenta de comunicação capaz de conquistar muitos usuários.Pelo nível maior de sofisticação do site inicial, o MVP do Twitter provavelmente não foi dos mais baratos. No entanto, diminuiu as chances de um investimento muito maior dar errado.

 

 

Texto originalmente publicado pelo NA PRATICA 

View Comments (0)

Leave a Reply

Your email address will not be published.

© POST2B. Todos os direitos reservados.